Gonçalo Paciência e Víctor García continuam com a equipa principal

Gonçalo Paciência e Víctor García, jogadores do FC Porto B, permaneceram esta quinta-feira integrados na equipa principal, que regressou aos treinos após o triunfo por 4-1 frente à Académica, jogo em que o jovem Gonçalo se estreou a marcar na formação principal.

O ensaio decorreu no Centro de Treinos e Formação Desportiva Porto/Gaia no Olival, sem Adrián López (em tratamento), Brahimi e Abobuakar, estes dois últimos envolvidos nos compromissos das respectivas selecções na CAN (Taça das Nações Africanas). Os Camarões de Aboubakar foram, no entanto, eliminados esta quarta-feira à noite da competição, após a derrota frente à Costa do Marfim (1-0).

Os Dragões vão prosseguir a preparação para o jogo frente ao Paços de Ferreira (marcado para domingo, às 20h15, no Estádio do Dragão, e a contar para a 19.ª jornada da Liga portuguesa) esta sexta-feira, às 10h30, com os primeiros 15 minutos a serem abertos aos órgãos de comunicação social.

Fonte: fcporto.pt

Anúncios

Gonçalo, em nome do pai

Quinze anos depois de Ricardo Sousa, o FC Porto volta a ter um filho de um antigo craque da casa a jogar na equipa principal. Gonçalo Paciência, que esta quarta-feira se estreou a marcar pela equipa principal, foi galgando as etapas da formação do FC Porto, sob o olhar atento de tudo e de todos, para chegar ao topo ao fim de 14 anos no clube. O avançado estreou-se pela equipa principal com 20 anos e cinco meses, a 21 de Janeiro deste ano, no jogo contra o Sporting de Braga para a Taça da Liga, enquanto o pai, Domingos, fê-lo com 18 anos e dez meses, a 21 de Novembro de 1987, numa partida contra o Moura, para a Taça de Portugal, que os azuis e brancos venceram por 4-0.

As coincidências entre os dois não se esgotam aqui. Tal como o pai, o filho do meio do clã Paciência estreou-se a marcar num jogo em casa, diante da Académica (4-1). Domingos fê-lo, pela primeira vez, na goleada (4-0) que o FC Porto, sob o comando de Tomislav Ivic, impôs ao Elvas, na 30.ª jornada do campeonato, a 13 de Abril de 1988, no antigo Estádio das Antas. Tal como o pai, Gonçalo precisou de três jogos (108 minutos de jogo) para festejar o primeiro golo com a camisola azul e branca, depois de ter sido chamado por Julen Lopetegui para o encontro contra o Marítimo, para a Liga portuguesa, na jornada anterior.

Pai e filho estão unidos pelo sangue, pelo nome, pelas coincidências históricas e mesmo pelas características que os definem. “Tanto eu como o meu irmão Vasco [que também joga nas camadas jovens portistas], somos parecidos com ele na forma de jogar. A única diferença é que ele era mais um pouco mais rápido, por ser franzino, e eu sou mais possante”, afirmou Gonçalo, numa entrevista à edição de Abril do ano passado da revista “Dragões”.

No final do jogo desta quarta-feira, Gonçalo não escondeu a felicidade que lhe vai na alma. Motivos não lhe faltam, na verdade. Depois de, no início desta época, ao serviço da selecção Sub-21, ter contraído uma lesão que voltou, tal como em 2013, a afastá-lo dos relvados por um período considerável de tempo, o número 39 dos Dragões regressou melhor do que nunca. Recuperado, depressa assumiu a titularidade no FC Porto B, onde já assinou cinco golos em dez jogos (o penúltimo dos quais superiormente marcado ao Benfica B, no Seixal). Na semana passada, após ter-se estreado na partida contra o Sporting de Braga, Gonçalo confessou, nas redes sociais, que tinha concretizado “um sonho de criança”. Oito dias depois realizou outro, com um golo que celebrou tal e qual fazia o pai, que assistiu in loco a um “dia especial” que nem um nem outro esquecerão.

Fonte: fcporto.pt

Música do Dragão vai ser da Tendinha dos Clérigos

A Tendinha dos Clérigos é o bar escolhido para fazer a selecção musical da partida frente ao Paços de Ferreira (domingo, 20h15), no Estádio do Dragão, da 19.ª jornada da Liga portuguesa. A Tendinha dos Clérigos, que em Abril comemora dez anos de existência, é uma discoteca acentuadamente rock. Abriu em 2005, na Rua do Conde de Vizela, e foi o primeiro de muitos espaços do género naquela que é neste momento a zona mais animada da noite portuense, a Baixa. Este domingo, vai dar vida ao estádio azul e branco.

phoca_thumb_l_nova_tendinha_8.jpg

Com a iniciativa Música do Estádio do Dragão, o FC Porto procura aproximar-se dos espaços nocturnos da cidade, dando-lhes a possibilidade de manter a sua identidade, já que cada bar traz a sua playlist e as suas músicas e bandas emblemáticas para o Dragão. A actividade dos DJ começa antes da abertura das portas e prolonga-se até ao início do jogo, sendo ainda retomada ao intervalo.

Fonte: fcporto.pt

«Campeonato está em aberto» – Eduardo Luís

A derrota do Benfica em Paços de Ferreira deixou o campeonato em “standby”. Eduardo Luís acredita que o Porto pode vencer o campeonato, mas não pode facilitar.

Eduardo Luís considera que a derrota do Benfica em Paços de Ferreira deixou o «campeonato em aberto.» O antigo jogador do FC Porto observa que com seis pontos de diferença a equipa de Lopetegui continua bem dentro das contas do título.

Em entrevista a Bola Branca, Eduardo Luís refere que «o campeonato ficou em standby», acreditando que «pode haver um menor rendimento do Benfica, podendo o Porto e Sporting aproveitar para se aproximarem.»

O ex-defesa acredita que os Dragões têm possibilidades de conquistar o título, mas avisa que «não podem facilitar e não podem falhar nos seus jogos.»

Fonte: rr.sapo.pt

«Gonçalo Paciência é muito diferente do pai» – Eduardo Luís

Eduardo Luís apadrinhou a estreia do Domingos Paciência no FC Porto. O antigo jogador dos Dragões entende que o filho tem qualidades bem diferentes e que pode ser uma mais-valia para o ataque dos Dragões e da selecção portuguesa.

Gonçalo Paciência estreou-se a marcar na equipa principal do FC Porto frente à Académica. Gonçalo é filho do antigo avançado do FC Porto e actual treinador, Domingos Paciência.

Eduardo Luís, também um antigo jogador dos Dragões, apadrinhou a estreia de Domingos na primeira equipa do FC Porto em 1987 e em Bola Branca diz «que os dois têm características futebolísticas muito diferentes.»

O antigo defesa recorda que «Domingos era muito débil em termos físicos», ao contrário de Gonçalo Paciência «que é mais forte e que segura bem a bola e é tecnicamente bom», por isso rejeita qualquer parecença entre os dois.

Eduardo Luís acredita que se for devidamente apoiado no FC Porto, «Gonçalo Paciência pode vir a ser uma mais-valia para o clube e também para a selecção portuguesa.»

Outro jogador em destaque na goleada à Académica foi Jackson Martínez. O colombiano tornou-se no melhor marcador do FC Porto em jogos realizados no Estádio do Dragão, ultrapassando Hulk.

Eduardo Luís destaca a capacidade goleadora do colombiano, recordando que «raramente aparecem jogadores que estão muitos anos no FC Porto e que Jackson tem sido muito regular.» No entanto, o antigo jogador dos portistas tem a noção de que as suas ambições passam pela transferência para um clube que lhe possa dar uma compensação monetária mais elevada, algo «que os clubes portugueses não conseguem evitar.»

Fonte: rr.sapo.pt

«Só penso no FC Porto» – Cristian Tello

O espanhol não deixa que o mercado o desconcentre e só está preocupado em melhorar o seu nível. E, já agora, também com o Basileia.

Cristian Tello olha para o Basileia à imagem do FC Porto. «Penso que o Basileia é um pouco como nós, joga como equipa e vai ser difícil ultrapassá-los. Vai ser uma eliminatória equilibrada», disse numa sessão de perguntas que a UEFA abriu aos adeptos. «Somos uma equipa muito jovem, com o sonho de fazer grandes coisas. Penso que somos uma equipa muito forte em todos os aspetos do jogo e damos sempre o máximo», desconversou depois, a propósito do prognóstico para o que falta jogar nas Liga dos Campeões.

Na sessão, que terminou há pouco, o jogador destacou Messi como o melhor do Mundo, Arbeloa como o defesa mais duro que encontrou, Fernando Torres como ídolo de infância e Hazard e Neymar como os jogadores que atualmente mais gosta. E elogiou o FC Porto. «Todos no clube me trataram excecionalmente desde que cheguei. O facto da equipa ser muito jovem acaba por ser muito positivo. Foi uma adaptação fácil», disse a propósito. «Temos um grupo espetacular. Somos todos muito jovens e penso que nos entendemos e apoiamos muito mutuamente. É o caminho a seguir para alcançar coisas importantes.»

O futuro é ainda longínquo para que perca tempo a pensar nele. «Atualmente só penso em fazer um bom ano no FC Porto. Estou muito contente pela confiança que o treinador deposita em mim e o que procuro é melhorar em alguns aspetos do meu jogo para ser ainda mais completo», confirmou.

Fonte: ojogo.pt

«Só falo com os jogadores franceses, isso não ajuda» – Eliaquim Mangala

Mangala, central do Manchester City, não se mostra preocupado por ainda não ter alcançado o estatuto de indiscutível e recorda a passagem pelo FC Porto.

Eliaquim Mangala, defesa francês que trocou na última época o FC Porto pelo Manchester City, dá o exemplo da primeira temporada nos Dragões para expor a sua tranquilidade quanto à importância que tem nos Citizens. O central não é um dos indiscutíveis de Pellegrini, mas acredita que no futuro o será.

«Não estou preocupado. A minha primeira época no FC Porto também não foi fácil. Não joguei muito e tive de adaptar-me. Mas, depois, as coisas tomaram o seu rumo normal e no Manchester vai ser igual», afirmou, em declarações à imprensa inglesa.

Com o francês como língua mãe, Mangala admite que o inglês ainda é uma barreira no balneário dos campeões britânicos.

«Estou a aprender. No balneário só falo com os jogadores franceses e isso não me ajuda. É o único problema», rematou.

Fonte: ojogo.pt