19.ª jornada da Primeira Liga – FC Porto x P. Ferreira: “Chapa cinco” em noite de grandes golos (5×0)

Com mais um golo de Jackson Martínez (o 15.º na Liga portuguesa, em que é o melhor marcador), uma obra de arte de Quaresma e um míssil de Tello, o FC Porto esmagou o Paços de Ferreira, por 5-0, e manteve-se assim a seis pontos do líder Benfica, na luta sem tréguas pelo título. A entrada feroz acabou por dar frutos nos minutos finais da primeira parte, em que os portistas chegaram ao 3-0 e definiram o destino do encontro. Ao “bis” de Quaresma e ao “picar do ponto” de Jackson, Herrera e Tello juntaram mais dois golos no segundo tempo e assim o FC Porto (melhor ataque da prova, com 47 tentos) materializou o quinto triunfo consecutivo em casa. Tratou-se ainda do terceiro 5-0 da época oficial e da quinta vez em que os Dragões marcaram cinco ou mais golos.

A equipa dirigida por Lopetegui iniciou o encontro com​ Marcano e Tello como novidades face ao último onze em jogos da Liga portuguesa e muito intensidade e rapidez na circulação, efectuando um verdadeiro cerco à bem organizada defesa forasteira. A ocasião mais evidente desses primeiros minutos surgiu na sequência de um remate de fora da área de Danilo, aos oito minutos, que deu origem a um ressalto que Jackson, primeiro, e Maicon, depois, não conseguiram finalizar. Após os primeiros 15 minutos, o Paços de Ferreira conseguiu suster um pouco a pressão portista, mas o primeiro golo acabou mesmo por surgir em cima da meia hora: Alex Sandro cruzou da esquerda, Rafael Defendi não conseguiu interceptar a bola e Jackson estava no seu habitat natural para inaugurar o marcador e marcar pelo quinto desafio consecutivo aos pacenses.

O ritmo azul e branco voltou a subir e a flecha Tello ia causando calafrios ao Paços de Ferreira. Num verdadeiro slalom, aos 36 minutos, ultrapassou vários adversários mas não conseguiu ofereceu o golo a Jackson. Porém, as desmarcações dos portistas nas costas da defesa forasteira continuavam a criar perigo e, numa delas, o avançado colombiano foi carregado nas costas por Hélder Lopes, aos 39 minutos. O vermelho ficou por mostrar, mas Quaresma converteu com frieza o penálti. O dique dos castores ruiu por completo em cima do intervalo, graças a uma obra prima de Quaresma, que tirou um adversário da frente e rematou de trivela para mais um golo destinado a correr mundo por via digital. Os números ao intervalo eram claros: 28 ataques dos Dragões para dois dos pacenses, que não fizeram qualquer remate, face a dez dos portistas.

O segundo tempo arrancou logo com o 4-0, que Herrera tem de agradecer quase na totalidade a Jackson, que furou na área contrária como faca quente em manteiga e assistiu o mexicano para o seu terceiro golo na Liga portuguesa. O Paços, que ainda não tinha sofrido mais de três golos na prova, deu o primeiro sinal de que o seu ataque existia aos 48 minutos, quando Seri acertou na barra da baliza de Fabiano. As oportunidades para os Dragões aumentarem ainda mais a vantagem continuavam porém a surgir e, aos 56 minutos, Óliver isolou-se mas permitiu a defesa de Rafael Defendi. Aos 77, Jackson tentou o chapéu mas a bola saiu por cima e, três minutos depois, Romeu foi expulso após travar mais uma arrancada de Jackson para a baliza.

O resultado final seria fixado aos 83 minutos, num verdadeiro míssil de Tello, na conversão do livre directo ganho por Jackson. A exibição azul e branca foi irrepreensível, numa noite de grande espectáculo e em que o Paços de Ferreira sofreu a mais pesada derrota de sempre com os Dragões. Aliás, os pacenses continuam sem vencer no estádio dos portistas.

Fonte: fcporto.pt

Anúncios