Futebol Formação (Sub-15): Dragões triunfam no Minho e continuam imparáveis

A equipa de Sub-15 do FC Porto prossegue o seu percurso vitorioso no Campeonato Nacional de Juniores C. Após uma primeira fase imaculada, em que somou por triunfos todos os jogos realizados, a segunda parece caminhar no mesmo sentido. Desta vez, na segunda jornada, disputada este domingo, a vítima foi o Vitória de Guimarães, que foi derrotado, no Minho, pelos jovens Dragões (1-0), que são líderes isolados da série Norte da prova que apura o campeão.

No Complexo Desportivo Dr. António Pimenta Machado, assistiu-se a um jogo equilibrado e sem grandes oportunidades de golo, embora com um ligeiro ascendente portista nos primeiros 45 minutos. Na segunda parte, pressionantes e dinâmicos, os azuis e brancos continuaram em busca da vitória, lançando, por várias vezes, o perigo junto da baliza vimaranense, cujos postes lhes negaram dois golos.

O aviso estava dado e, por isso, foi sem grande surpresa que o golo acabou por surgir aos 65m, com a assinatura de Romário Baró. Os minhotos, por seu turno, apenas por uma vez incomodaram a defesa dos jovens Dragões, mas o guarda-redes João Cardoso mostrou-se à altura da exibição da equipa. Na próxima jornada, há encontro marcado com o Sporting de Braga, no Centro de Treinos e Formação Desportiva Porto/Gaia, no Olival.

Sob o comando de Luís Gonçalves, os Sub-15 alinharam com João Cardoso, Ruben Teixeira, João Serrão (cap.), Cláudio Silva, Ruben Moura, Romário Báro, Miguel Magalhães (João Mário, 45m), Afonso Sousa, Vasco Paciência (Leandro Campos, 45m), Vítor Ferreira (Paulo Moreira, 53m) e Tiago Lopes (Fábio Vieira, 67m).

Fonte: fcporto.pt

Anúncios

Man. Utd esteve em espionagem

Como tem sido hábito nesta temporada, o Man. United enviou um emissário para assistir ao encontro do FC Porto. Desta vez, os red devils não tiveram oportunidade de observar o alvo que têm debaixo de olho – Martins Indi –, uma vez que Julen Lopetegui deixou o central holandês no banco.

Entre os espiões estavam ainda os espanhóis do Valencia – atentos a Jackson Martínez – e do Levante. Além do Lille, destaque ainda para a presença do V. Guimarães, próximo adversário dos portistas no campeonato.

Fonte: record.xl.pt

Jackson, 15 anos depois de Jardel

Um milhar de golos mais demorado do que o anterior (por 7 jogos) ficou ontem selado com a marca do suspeito do costume. Em dez dias, Jackson reclamou dois feitos individuais.

Mais de seis anos depois de Suazo ter assinado, em Guimarães, o golo 5000 do Benfica em campeonatos nacionais, o FC Porto tornou-se no segundo clube português a atingir tal marca, obtendo-a graças a Jackson Martínez, que assim assinala um segundo feito histórico em menos de duas semanas. Aquele que passou a ser o melhor marcador no Estádio do Dragão levou ontem o FC Porto a atingir, em 493 jogos, um novo milhar no registo goleador, sucedendo a Jardel como autor de um golo redondo na história dos azuis e brancos na maior prova nacional. Quase 15 anos e 493 jogos depois de Jardel ter atingido a marca dos quatro milhares, Jackson assinalou uma nova fasquia.

O golo 5000 demorou mais sete jogos a ser alcançado do que o 4000 (493 contra 486), mas o mais demorado foi o dos três milhares, que levou exatos 500 jogos entre 1968 (Manuel António) e 1985 (Eurico Gomes). Sem surpresa, o primeiro milhar foi aquele que foi obtido a uma média mais acelerada, bastando 341 jogos para se atingir tal marca, assinalada em dezembro de 1951 por Vital.

Com 62 golos no campeonato, Jackson assume uma parte relevante na contabilidade portista, mas o grande finalizador da história do FC Porto na prova é Fernando Gomes (288).

Fonte: ojogo.pt

Pinto da Costa fez viagem com a equipa

Líder do FC Porto dá um sinal claro da importância do atual momento da temporada.

Pinto da Costa fez questão de fazer a viagem entre o Porto e Moreira de Cónegos no autocarro da equipa, que também trouxe Antero Henrique e Reinaldo Teles – voltou a sentar-se no banco, em virtude do castigo do primeiro -, num sinal claro da importância do atual momento da época.

De referir ainda que Lopetegui deu dois dias de folga aos jogadores, o que acontece pela primeira vez em 2015, mesmo que o jogo com o V. Guimarães esteja agendado para sexta.

Fonte: ojogo.pt

Regresso ao trabalho na terça-feira

Depois da vitória sobre o Moreirense (2-0), no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, na partida relativa à 20.ª jornada da Liga portuguesa, o plantel do FC Porto cumpre dois dias de folga e volta ao trabalho na terça-feira, pelas 10h30, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival. Os primeiros 15 minutos serão abertos à comunicação social.

Os azuis e brancos iniciam assim a preparação para a recepção ao Vitória de Guimarães, referente à 21.ª jornada da Liga portuguesa, em jogo marcado para sexta-feira, às 20h30, no Estádio do Dragão.

Fonte: fcporto.pt

«Merecemos claramente a vitória» – Julen Lopetegui

Foi uma “batalha dura e difícil” aquela que teve lugar em Moreira de Cónegos, tal como Julen Lopetegui antecipou, na conferência de imprensa de antevisão do jogo, mas da qual o FC Porto saiu vencedor. No final do desafio, o técnico espanhol sublinhou isso mesmo: as dificuldades sentidas pela equipa, sobretudo no primeiro tempo, mas que, ainda assim, soube ultrapassá-las com “mérito, competência e paciência”.

“Não é fácil jogar contra uma equipa tão organizada, no seu estádio, que sabe bem o que quer, tanto defensiva como ofensivamente. Houve momentos em que a equipa esteve bem, noutros em que não esteve tão bem, mas mereceu claramente a vitória. Estamos satisfeitos pelo resultado que conseguimos, num campo difícil, estreito, com menos quatro metros de largura do que o do Estádio do Dragão”, sublinhou Lopetegui, em declarações no final do encontro, lamentando ainda “as várias oportunidades de golo” que não foram aproveitadas pelos seus jogadores.

Ainda na primeira parte, o Moreirense viu-se obrigado a fazer duas alterações por lesão, mas o treinador negou que o FC Porto tenha sido beneficiado por essa infelicididade. Houve mérito dos Dragões e “não demérito” da equipa da casa, frisou: “O FC Porto soube provocar os erros do adversário, teve paciência, soube ter o controlo de bola, soube circulá-la e dar muita largura ao jogo, num campo estreito e que, ao contrário do que se verifica nos outros estádios, estava em boas condições. As grandes ligas olham para essas questões, o terreno é um ponto fundamental do jogo”, sublinhou Lopetegui, sem se esquecer do penálti sobre Maicon, ainda na primeira parte, que Carlos Xistra não assinalou, mas que “felizmente não teve repercussão” na partida.

De volta à equipa portista, esteve Brahimi, cujo regresso foi saudado, tal como o de Aboubakar, que já tinha sido convocado para o jogo com o Paços de Ferreira, na jornada anterior. “Aboubakar e Brahimi são dois jogadores que estiveram fora muito tempo, tinham outro objetivo. É bom que estejam connosco outra vez. Quanto mais opções estivermos melhor. Há que lhes dar tempo, minutos, tê-los a jogar. É bom”.

Com o triunfo em Moreira de Cónegos, os azuis e brancos reduzem, provisoriamente, a distância de três pontos para o primeiro classificado, o Benfica, na véspera de visitar o Sporting, no Estádio Alvalade XXI. Lopetegui foi questionado por que equipa torce no dérbi deste domingo: “Que percam os dois! Ganhámos hoje, fizemos o nosso trabalho. Vou ver o jogo, claro, mas não tenho qualquer poder de acção sobre o que pode acontecer. A matemática é somar e subtrair, é muito fácil”.

Fonte: fcporto.pt

«Soubemos ser inteligentes» – Jackson Martínez

Jackson Martínez dá-se bem com os ares de Moreira de Cónegos: há dois anos, marcou dois golos e nesta época, depois de apontar outros tantos no jogo da primeira volta, voltou a fazer mais um, na vitória portista por 2-0. Foi o 16.º na Liga portuguesa, o 25.º da temporada, o golo cinco mil do FC Porto na história dos campeonatos nacionais, num jogo em que a equipa, disse o avançado colombiano, soube ser “agressiva e inteligente”.

“Tivemos uma entrada agressiva em todos os aspectos, sabendo que o Moreirense ia defender bastante atrás. Soubemos ser inteligentes, não falhando passes por sofreguidão e controlando as coisas”, afirmou o capitão portista, em declarações no final do encontro.

Jackson foi o autor do golo cinco mil do FC Porto nos campeonatos nacionais, congratulou-se por ter “a oportunidade de fazer parte da história do FC Porto”, mas preferiu sublinhar a importância do golo para a vitória. “Estamos para dar o máximo, esforçamo-nos a cada jogo para ajudar a equipa a conseguir os resultados de que precisa. O golo é consequência do trabalho que se faz para melhorar a equipa, temos jogadores fortes pelos corredores exteriores, que aproveitam bem os espaços e foi isso que voltou a acontecer”.

Sobre o dérbi deste domingo, o internacional colombiano foi parco em palavras: “Fizemos o nosso trabalho, o que tínhamos de fazer. Não podemos negar a realidade, estamos a seis pontos do primeiro lugar, temos de esperar para ver o que acontece com a tranquilidade de termos feito aquilo que precisávamos”.

Fonte: fcporto.pt