Youth League (Sub-19): Mãos de ouro de Gudiño valem “quartos”

A equipa de Sub-19 do FC Porto garantiu, esta terça-feira, no Estádio Alfredo Di Stefano, em Madrid (Espanha), o apuramento para os quartos-de-final da UEFA Youth League, depois de vencer o Real Madrid através do desempate ma marca das grandes penalidades. Com o jogo empatado a um golo no final do tempo regulamentar, o guarda-redes Raul Gudiño foi chamado novamente a brilhar e, com duas belas defesas, guiou os jovens Dragões para a fase seguinte da prova, em que vão encontrar o Barcelona ou o Anderlecht.

A jogar em casa, o Real Madrid teve uma entrada muito forte na partida e aos seis minutos já tinha enviado uma bola aos ferros da baliza portista. Foi o primeiro aviso ao guarda-redes mexicano de que iria ter muito trabalho pela frente naquela tarde: já depois de duas defesas difíceis, o guardião voltou a estar em destaque aos 38m, com uma defesa brilhante a um remate forte e cheio de efeito de Babunski.

Com mais posse de bola, fazendo-a circular a toda a largura do terreno e exercendo pressão constante sobre o adversário, a equipa da capital espanhola foi a mais perigosa durante a primeira parte, fazendo os Dragões passar por algumas dificuldades. Só aos 30m e através de bola parada, o FC Porto foi capaz de criar perigo, num livre apontado por Diogo Verdasca a castigar uma falta sobre Ruben Macedo.

O extremo dos azuis e brancos foi mesmo, a par de Gudiño, o melhor do lado dos azuis e brancos conseguindo, graças à sua velocidade, arrancar várias faltas, duas delas que levaram o árbitro a mostrar dois cartões amarelos e o consequente vermelho a Dani Fernández. Estávamos no início da segunda parte, altura em que a equipa orientada por António Folha, já com Moreto Cassamá no lugar de Clever, surgiu bem mais forte em campo, tendo visto um golo mal anulado pela equipa de arbitragem, por inexistente fora-de-jogo.

E foi no melhor período do FC Porto na partida que o Real Madrid chegou ao golo, após uma boa jogada individual de Borja Mayoral. Faltava meia hora para o apito final, mas muito havia para contar deste jogo. Aos 78m, Sérgio Ribeiro é travado em falta na área madrilena, o penálti é assinalado, mas não é aproveitado por Leonardo que, logo a seguir, dispôs de mais uma oportunidade de ouro para bater Oliveiros, também da marca dos 11 metros. Desta vez, porém, o avançado colombiano não desperdiçou, apontou o sexto golo na prova e levou a decisão do encontro para os pontapés da marca de grande penalidade. E aí, Gudiño voltou a ser enorme, voltou a ser herói.

FICHA DE JOGO

Real Madrid-FC Porto, 1-1 (1-3, após penáltis)
UEFA Youth League, oitavos-de-final
17 de Fevereiro de 2014
Estádio Alfredo Di Stefano, em Madrid (Espanha)

Árbitro: Adrien Jaccottet (Suíça)
Assistentes: Raffael Zeder e Stephane De Almeida (Suíça)
Quarto árbitro: José Luis Lesma Lopez (Espanha)

REAL MADRID: Oliveros (g.r.); Quezada, Lienhart, Kuscevic, Dani Fernandez; Borja Sánchez, Lazo, Febas, Cedrés; Mayoral e Babunski (cap.)
Substituições: Tejero por Babunski (52m), Sergio Molina por Borja Sanchez (69m), Garcia por Lazo (79m)
Não utilizados: Lavín (g.r.), Ayala, Harper, Rodriguez
Treinador: Luis Miguel Ramis

FC PORTO: Raul Gudiño (g.r.); Fernando Ferreira, Malthe Johansen, Diogo Verdasca e Lumor; Chidozie, Sérgio Ribeiro, Clever; Leonardo, Rui Moreira (cap.) e Ruben Macedo
Substituições: Moreto Cassamá por Clever (45m), João Cardoso por Rui Moreira (67m), Tony Djim por Diogo Verdasca (79m)
Não utilizados: João Costa (g.r.), Rui Silva, Jorge Fernandes, Bruno Costa
Treinador: António Folha

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Mayoral (60m), Leonardo (81m)
Disciplina: cartão amarelo a Diogo Verdasca (5m), Dani Fernandez (12m e 49m), Kuscevuic (26m), Chidozie (63m), a Borja Sanchez (69m), cartão vermelho a Dani Fernandez (49m)

Fonte: fcporto.pt

Anúncios

«Queremos desfrutar deste momento» – Óliver Torres

Óliver Torres confessou na sala de imprensa do St. Jakob-Park, esta terça-feira, que sonhou desde muito jovem entrar em campo, ouvir o hino da Champions e disputar um encontro da mais entusiasmante competição de clubes do mundo. Na véspera do desafio com o Basileia (esta quarta-feira, às 19h45 de Portugal Continental), a contar para os oitavos-de-final, o médio relembrou a eliminatória duríssima frente aos franceses do Lille, que o FC Porto teve de ultrapassar para entrar na prova. Agora é tempo de viver a atmosfera dos grandes jogos.

“Quando és pequeno e vês estes jogos pela televisão tens a esperança de conseguir realizar esse sonho. Somos afortunados e estamos a trabalhar desde o início da pré-temporada, em Julho, quando começámos a preparar o jogo com o Lille. Trabalhámos bem, ganhámos esse direito e vamos desfrutar com esperança deste momento e a partir daí tentar fazer um bom papel”, afirmou o camisola 30 dos Dragões.

O espanhol admitiu que marcar um golo fora de casa “seria importante” e destacou a qualidade do meio-campo do Basileia, elogiando em particular Frei, um “trinco que joga muito bem” e a quem o FC Porto vai ter de ter “especial atenção”. “Sinto-me confortável e ajudamo-nos uns aos outros como equipa e creio que isso é o mais importante. Essa é uma das nossas principais forças”, declarou.

Bem-humorado, Óliver foi convidado a fazer uma hipotética pergunta ao treinador rival, Paulo Sousa, e escolheu a seguinte: “Que poderemos fazer para lhe marcar um golo?”. Depois, disse que espera ver “o estádio cheio” e que o FC Porto terá de fazer “o seu melhor” frente a uma “grande equipa”.

Fonte: fcporto.pt

«Não há favoritos» – Julen Lopetegui

Para Julen Lopetegui, “não há favoritos” na eliminatória entre Basileia e FC Porto, que arranca esta quarta-feira (19h45 de Portugal Continental), em território suíço. Na sala de imprensa do St. Jakob-Park, o técnico destacou a experiência do adversário orientado pelo português Paulo Sousa – com “quase mais 200 jogos internacionais” do que os portistas – e lembrou que os Dragões serão apoiados por muitos adeptos.

“Não há favoritos, apenas conta quem fizer melhor as coisas amanhã. O resto é falar por falar. O Paulo pode ir buscar os números que quiser, mas o Basileia tem mais experiência e esteve praticamente dois meses a preparar este encontro. Temos uma ambição muito grande para este jogo, numa cidade histórica para o FC Porto. Vamos ter aqui muitos adeptos portugueses que nos vão apoiar e demasiados argumentos para pensar em coisas que não nos servem para nada”, afirmou Lopetegui.

O treinador frisou o facto de os azuis e brancos serem a equipa mais jovem dos oitavos-de-final da prova, mas não será esse factor a impedir o FC Porto de colocar toda a “energia, esperança, vontade e ambição” neste duelo frente a um oponente “muito completo, em todos os processos do jogo” e “bem orientado” por Paulo Sousa. “O seu trabalho é conhecer o FC Porto e o nossso conhecer o Basileia. Fizemos ambos isso, sem dúvida. Nesta aventura da Champions é bom lembrar que não tínhamos bilhete de início e tivemos uma classificação duríssima frente ao Lille. Agora estamos a desfrutar desta experiência”, clarificou.

Convidado a comentar o facto de ser o treinador da única equipa portuguesa em prova na Champions e a olhar para as críticas de que é alvo por parte de alguma comunicação social, Lopetegui confessou estar “demasiado focado e esperançado” para se lembrar dessas mesmas críticas. O técnico optou por reforçar o retrato do adversário e a sua preparação. Ao contrário do que se possa pensar, sublinhou o espanhol, o Basileia não esteve parado durante a pausa de Inverno da Liga suíça, continuando “a treinar e efectuando uma série de jogos particulares”.

“É um desafio difícil, porque os oitavos são muito duros para todos, estão aqui os 16 melhores da Europa. Claro que será importante para eles não sofrer golos e para nós marcar. Falamos de uma eliminatória que vai ser equilibrada e em que cada detalhe vai ser importante, sem dúvida. Sabemos que teremos de fazer duas grandes exibições para superar o Basileia”, resumiu.

Fonte: fcporto.pt

Futebol Formação (Sub-15): Mão cheia de golos dos Dragões frente ao Feirense

A equipa de Sub-15 do FC Porto goleou, esta terça-feira, o Feirense (5-0), no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival, com três golos do jovem avançado Leandro Campos. Os azuis e brancos, que na jornada anterior somaram o primeiro desaire da época, somam agora nove pontos com que mantêm o comando da segunda fase do Campeonato Nacional de Juniores C, que é partilhado com o Rio Ave.

Na partida da quarta jornada da prova que apura o campeão da série Norte, três dos golos nasceram na primeira parte, em que os portistas exerceram um domínio completo. Leandro Campos abriu a contagem aos 13 minutos, João Mário fez o segundo aos 19m, mas o melhor estava guardado para os 26m, quando Afonso Sousa finaliza uma jogada que ele próprio iniciou: sprint de Leandro Campos desde a linha de meio-campo, cruzamento rasteiro para a área, onde aparece o número oito portista a assinar o 3-0.

Após o intervalo, os Sub-15 entraram mais pressionantes, subiram as linhas, o que lhes permitiu ganhar a bola mais próxima da baliza adversária e, consequentemente, criar maior volume de jogo. Resultado: mais dois golos, um logo na reabertura do segundo tempo e outro aos 65m, ambos assinados por Leandro Campos.

Sob o comando de Luís Gonçalves, os Sub-15 alinharam com Carlos Peixoto, Ruben Rosário (Marcelo Araújo, 52m), João Serrão (cap.), Damas, Ruben Moura, Romário Báro (Fábio Vieira, 59m), João Mário (Paulo Moreira, 45m), Afonso Sousa (Tiago Lopes, 45m), Leandro Campos, André Silva e Miguel Magalhães.

Fonte: fcporto.pt

1893 é ponto de partida para FC Basel e FC Porto

1893 é o ano de fundação de FC Basel e FC Porto. Os dois centenários defrontam-se esta quarta-feira com os mesmos anos de vida mas com enormes diferenças no palmarés.

Pouco mais de um mês separou o surgimento dos dois emblemas: o FC Porto a 28 de setembro de 1893, o FC Basel a 15 de novembro. Apesar dos 122 anos que este ano cumprem, há dezenas de diferenças nos palmarés das duas equipas que convém enumerar.

O FC Basel é um dos mais bem sucedidos clubes da Suíça mas está longe de ser o mais titulado. No total o clube que atualmente é comandado por Paulo Sousa soma 28 títulos oficiais: 17 campeonatos suíços (o Grasshoppers tem 27) e 11 Taças da Suíça.

O fim dos aos 60 e 70 foi o período mais bem sucedido da turma de Basileia, que conseguiu celebrar a conquista de sete campeonatos entre 1967 e 1980. Se os dragões nunca desceram de divisão, o FC Basel foi relegado em 1987, regressando ao topo do futebol helvético no início de 2000.

Ora se analisarmos os troféus oficiais dos azuis e brancos chegamos ao número 74.

Ao nível interno as diferenças são evidentes: 27 campeonatos conquistados, 16 Taças de Portugal e 20 Supertaças, para falarmos dos mais importantes.

Os helvéticos nunca venceram qualquer prova internacional, os Dragões somam sete: duas Taças Intercontinentais, duas Ligas dos Campeões, duas Ligas Europa (uma delas ainda como Taça UEFA) e uma Supertaça Europeia.

Recorde-se, neste sentido, que antes de todo este sucesso na Europa os Dragões já haviam marcado presença numa final europeia, a da Taça das Taças, em 1984, que se realizou, precisamente, no Saint Jakob Park, palco do jogo esta quarta-feira. O jogo decisivo foi perdido para a Juventus.

Fonte: zerozero.pt

«Vamos à procura de uma noite mágica» – Paulo Sousa

Paulo Sousa respeita o FC Porto e elogia os azuis e brancos, mas o treinador português acredita que a sua equipa pode surpreender a Europa e revela quer pretende ver o Basel a ser protagonista.

«Queremos ser protagonistas e queremos ser a equipa que mais quer criar dificuldades ao FC Porto. Para nós vai ser um desafio extraordinário. Pessoalmente, gosto de estar nos grandes desafios porque são eles que me fazem crescer, assim como à equipa e ao clube», afirmou Paulo Sousa, na conferência de imprensa de antevisão ao encontro com os Dragões, a contar para a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

«É especial para mim, para os meus jogadores e para o nosso clube competir contra os melhores. Sendo português, tenho sempre muito carinho por todos os jogadores e clubes portugueses. As vitórias deles sinto como se fossem minhas. No entanto, neste momento temos um adversário português e o meu foco é o adversário. Quero tomar as decisões certas e passá-las da melhor forma aos jogadores», acrescentou, garantindo que o Basel vai saber responder aos momentos de maior pressão do FC Porto.

«Vamos ter momentos em que o FC Porto nos vai pressionar, em que eventualmente vai ter uma ou outra situação em que vai ter vantagem, mas na maioria tenho a certeza de que vamos sair dessa pressão e criar problemas. Acredito nisso. Queremos ganhar protagonismo para estarmos diversas vezes perto da baliza do nosso adversário. Temos as nossas capacidades, sabemos que dentro da parte lógica e teórica o FC Porto é uma equipa que concede poucos golos, mas estou convencido de que vamos criar dificuldades para podermos concretizar golos. Somos uma equipa que tem capacidade de saltar linhas, de dar velocidade ao jogo, de atrair para depois dar velocidade e queremos que essas características sejam visíveis em campo», atirou, deixando elogios ao FC Porto.

«Não sendo uma equipa com muitos portugueses, é uma equipa com vários intervenientes de grande talento. Eles foram integrados com um novo treinador, mas com uma base cultural e de filosofia de jogo já muito enraizadas no FC Porto. Há um padrão. Infelizmente para nós, para eles não houve uma paragem competitiva e houve um crescimento. Mas vamos à procura de ter uma noite mágica», rematou.

Aquando do sorteio, Pinto da Costa afirmou que o Basel era um dos adversários que menos queria nos oitavos de final da Liga dos Campeões. Perante estas palavras, Paulo Sousa reagiu da seguinte forma.

«O presidente respeita o nosso trabalho e o nosso trajeto. Sendo à partida uma equipa com a qual todos eventualmente queriam competir, o Basel é aquela que pode também meter mais pressão a um adversário como o FC Porto», comentou, revelando ainda qual foi o momento que permitiu à sua equipa brilhar na presente edição da Liga dos Campeões.

«Pretendemos ter o mesmo comportamento a jogar em casa e fora. Temos vindo a trabalhar mentalmente nos nossos jogadores. Mas há um momento crucial nesta qualificação e na possibilidade de estarmos a competir com o FC Porto, que foi quando chegámos a Anfield e praticámos o futebol que praticámos, especialmente na primeira parte, em que estivemos quase sempre no meio campo adversário. Foi uma noite mágica porque a equipa esteve quase perfeita e mostrou que tem capacidade para defrontar equipas de grande qualidade como o FC Porto», terminou.

Fonte: zerozero.pt

«O FC Porto vai passar» – Lourenço Pinto

Lourenço Pinto viajou para Basileia para apoiar os Dragões em mais uma eliminatória da Liga dos Campeões.

Lourenço Pinto está confiante nas possibilidades do FC Porto em Basileia e olhando para o valor das duas equipas considera que «um bom resultado é ganhar» na Suíça. O presidente da Associação de Futebol do Porto reconhece que «um empate com golos seria positivo», mas reforça a ideia de que a equipa de Lopetegui vai passar aos quartos-de-final da Liga dos Campeões.

«É uma eliminatória difícil, mas estou convencido de que o Porto vai passar e vai um bocadinho mais longe. O Porto está a jogar bom futebol e a nível internacional voltou a ter imagem de força», disse Lourenço Pinto, esta terça-feira, à partida para Basileia.

O FC Porto defronta a equipa suíça, treinada por Paulo Sousa, esta quarta-feira, em jogo a contar para a 1ª mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões.

Fonte: rr.sapo.pt